Sigam-me

www.twitter.com/celiaschultz
Qualquer aventura começa quando somos obrigados a descobrirmos quem somos.

Vejam também: www.diariodececilia.blogspot.com

celiaschultz@hotmail.com

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Esse Blog deseja um Feliz 2012

Um história para quando puder ler:


Um dia ouvi algo ímpar
e irei lhe dizer o mesmo aqui, agora..
Você sempre representa um grupo,
Familiar, profissional,
do seu país, da sua cidade..
Se você viaja para Londres
e se, por coincidência, é o unico brasileiro, naquele momento ali
Se você hipoteticamente roubar, irão dizer que é brasileiro e no Brasil, citarão seu sobrenome e na sua cidade, quase todos saberão sua profissão..
Se você ganhar um prêmio por entendimentos científico ou cultural..
Também..
Irão dizer que você é brasileiro e no Brasil, citarão seu sobrenome e na sua cidade, quase todos saberão sua profissão..
Você nunca anda sozinho, tem sempre muitos dependendo de você
Toda a sua ação sempre os comprometerá...
Sempre se conhecerá seus filhos, seus pais, sua região, por você
Portanto, faça sempre o seu melhor...

Tela de Salvador Dali: Rosa Meditativa 

sábado, 17 de dezembro de 2011

Obrigada a todos....




Premiação Top Blog 2011, na Unip da Vergueiro, São Paulo, SP, ficamos em 1o lugar na Categoria Literatura.
Esse Blog nasceu por você e depois que você nasceu, a vida, de certa, se tornou uma aventura. Um dia creio que poderá ler e rir ou chorar, conforme a sensação, conforme seu próprio pensar. Várias vezes pensei, diante da falta de tempo, eminente dessa rotina, que não deveria continuar, só que seus olhinhos me diziam que valeria a pena. É para você, Francesco, quando souber ler, interpretar e voar...

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Anarquia

Derrubaram todo meu açucareiro, fizeram a maior sujeira na cozinha e ficarei um longo momento limpando. Mas, o suspeito deixou pistas...

domingo, 11 de dezembro de 2011

O quarto de brinquedos

A brinquedolândia avança sobre o interior da casa. Tento, mas continuo perdendo espaço. Dai pensei no quarto dos fundos da casa. Provavelmente seus donos o criaram para ser a famosa "dispensa". Na verdade, um cômodo externo que serviria para guardar cacarecos ou coisas não usuais. Eu o utilizava para guardar camas desmontadas, para quando um dia chegar uma visita, pedaços de uma estante, que um dia poderiam se tornar prateleiras suspensas, uma mesa redonda, que não coube dentro da casa pois optei por uma retangular e muitos livros da época da faculdade que um dia poderiam ser lidos.
No entanto, "um dia", é um dia muito distante para quem não tem onde colocar brinquedos hoje.
Brinquedos também são armas de conhecimento. São desmontados, montados, quebrados, esquecidos e um dia doados.
Aproveitando o clima de final de ano e de deixar para trás aquilo que está muito pesado, doei os móveis do quarto que eu talvez um dia usasse. Só mantive, por enquanto, os livros e uma máquina fotográfica da década de 80.  Agora, o quarto ganhou tapete de letrinha, ursos e tigres de pelúcia anti-alérgica, legos e carrinhos coloridos..Provavelmente, alguém usará melhor aquilo que eu guardava hoje e o Francesco ganhou um quarto de brinquedos.
Sei que logo, o quarto deixará de ser de "brinquedos", no entanto, funções para ele, não faltarão, a tendência de todo espaço é ser preenchido..
 Por hora, a gente fica mais versátil, carregando só o que faz diferença...Pena que isso seja mais difícil com velhas e obsoletas mágoas..

domingo, 4 de dezembro de 2011

O "cudo"

Ele ainda fala pouco. Tem uma unica frase que fala sempre "Eu quero". Então, penso que já esteja formando a consciência de sí..
Tem também uma outra palavrinha que fala muito, "cudo". Diz várias vezes olhando para a geladeira ou olhando para algo que está no alto. Não sei o que significa, meu cérebro de adulto não conseguiu associar a nada que conheça. "Cudo" , seria "cuidar"? Mas, não faria sentido da forma com que é falado..Parece que o "cudo" é desejo por algo, no entanto, é estranha a forma com que é relacionado.
Existem coisas que devemos perceber na essência e não no sentido.
Ele também não deve entender quando vê cotovias em gaiolas, cães, ditos "queridos", em coleiras..Não deve entender por que adulto fala tanto em "liberdade", mas na prática realiza o exercício da delimitação de si e dos demais seres vivos...(coisas de sapiens).    

domingo, 20 de novembro de 2011

Pular e crescer..

Em pouco tempo o cenário é outro,
Tudo muda rápido,
seus pézinhos correm mais que a bola arremessada
Ele monopoliza um território que antes era só meu
A terra gira,
minha casa gira,
A rotina gira,
Eu sou outra e ele cresce
Aprendeu a dançar
e eu reaprendi a língua esquecida dos que, do tempo, só conhecem a hora do cansaço..

domingo, 13 de novembro de 2011

O Lego

Quando estou triste ou nervosa, ele se aproxima e vai me dando peças de seu lego, quer que eu monte. Resolver um problema ou uma frustração, montando um lego..
Em que momento da vida perdemos suas peças ?
Em que momento deixamos de acreditar que ainda podemos montar carros e castelos com peças coloridas?
O lego adulto só tem peças maiores, ainda podemos montar a vida com eles. Se desmontar, é só montar de novo..

* Tela acima de R. Magritte

sábado, 5 de novembro de 2011

Os "Eu's"

Até onde sou ele?
Até onde ele sou eu?
Ou não existe mais "eu's"?
Filho é o projeto narcísico dos pais. Depois que eles nascem, trocamos de corpo.
Se antes éramos arrogantes, autoconfiantes, severos em nossos julgamentos, agora não somos mais do que "segundo plano". Eles comem primeiro, eles vivem primeiro, nós sempre poderemos esperar.
São eles nossos professores de humildade, maleabilidade, tolerância e compreensão.
Antes a gente via o mundo como senhores, agora como operários que trabalham em seu próprio projeto..
Depois que descobrimos que alguém depende de nós, seremos sempre obrigados a voltar para casa e perdemos o direito de morrer em paz.
Filhos foi a forma de continuarmos..
A forma de dizer: - Sim, ainda amamos a nossa espécie..

Tela acima de Renè Magritte

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Inquietação..

Inquietação
Corre-corre
Alguns tombos
Curiosidade
Alerta
Alguns medos
Choro
Colo
Soninho
Sorriso, é hora de acordar, ou melhor, de pular, correr e descobrir que na América do Sul as crianças se parecem com todas as crianças do mundo.

domingo, 23 de outubro de 2011

As coisas da vida..

Enquanto ele dorme, as coisas voltam ao seu lugar de origem, evidentemente, algumas, poucas, não podem mais...

sábado, 15 de outubro de 2011

Feliz Dia do Professor

Hoje é o nosso dia, é o dia do Professor. Bem charmoso ser uma data próxima do dia da Criança. É um dia para o adulto pois todos os adultos ensinam ou orientam algo, logo são professores. Sei que tem adultos que vivem e morrem sem ter ajudado no conhecimento da espécie, mas não são maioria.
Faça uma análise:
Se hoje você está vivo, formado, trabalhando, autônomo, certamente teve muitos professores. Os primeiros lhe trocaram a frauda e lhe ensinaram a corresponder à um sorriso. Depois, seguraram suas pequenas mãos para que você aprendesse a andar sozinho. Seus colegas também foram professores pois lhe ajudaram a falar, a dialogar e ao ouvi-los, você aprendeu a solidariedade. Os vizinhos da rua que lhe cumprimentaram, lhe ensinaram a desejar "Bom dia" e os que não cumprimentaram, lhe ensinaram a ser político. Outros professores vieram e lhe ensinaram a escrever "amor", além de "escola" e a soletrar  "Paralelepípedo" como "sonhar" .
Muitos erraram no percurso, mas com seus erros, também lhe ensinaram o segredo da evolução...
Por fim, um sábio professor lhe ensinou, que para haver conhecimento, é preciso haver  intercâmbio.
Francesco, tente não se esquecer de seus mestres, mesmo quando você se tornar um..

*(acima tela de Di Cavalcanti - Gente da Ilha, 1963)

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Feliz Dia das Crianças

O que é arte, traquinagem, inquietitude e ingenuidade para nós, é aquisição de conhecimento para eles.


Feliz Dia das Crianças para todos!

terça-feira, 4 de outubro de 2011

A pata e os patinhos...

Como os demais filhos anteriores, onde vou ele também vai, seja na cozinha, no quarto, no quintal e até no banheiro..Sentirei saudades quando chegar o tempo de ser o inverso..

domingo, 2 de outubro de 2011

Matrix sem função

Mas como faz birras...Ele quer algo porque quer...As vezes tenho que ser bem mais forte..
No entanto, sou felizarda, ainda terei bastante tempo com ele, para ser uma matrix. Meus outros dois filhos já estão crescendo e estou estranhando muito o fato de sairem de casa para namorar e passear. Ainda me lembro quando eram menores que o Francesco.
Essa é parte que mais nos recorta, ter que abrir os portões que sempre mantivemos trancados por medo das notícias televisionadas sobre o mundo..
A matrix aprendeu a proteger, a ser mais forte, a ser maior. Nunca aprendeu a cortar o cordão umbilical. Depois que o cordão se formou, a donzela partiu  para a guerreira nascer.
Quando todos os filhos conquistarem a independência, ela perderá partes da identidade.
A matrix não se recorda mais do caminho de volta à sua casa natal, mas sabe que não pode viver a vida de outro Ser indeterminadamente...

Tela: Salvador Dali

domingo, 25 de setembro de 2011

Durante o sono ..

Ele dormiu pouco ontem, mas quando dormiu, aproveitei para colocar toda a baderna, que também atende pelo nome de "casa" em ordem..
Enquanto ele dormia, limpei quintal, frente, cozinha, banheiro e todo resto..Ele não deve ter ouvido barulho algum e quando acordou nem percebeu todo o trabalho, de 3 horas, ali feito..
Nunca sabemos das coisas que são feitas por outros enquanto dormimos..
Ao dormir, o trânsito para, as pessoas se despedem e o bolo de chocolate é coberto para depois..Ele precisa do sono para crescer e eu preciso ficar acordada para manter seu sono e quando durmo, alguém fica acordado para manter o meu sono..
Desde o momento de nosso nascimento, muitos precisaram ficar acordados.  Se estamos aqui hoje é porque houveram pessoas que não dormiram..
Quando durmo sei que os ônibus continuam, as cia. elétricas continuam, a polícia continua, os hospitais continuam e, como o Francesco, nem percebo o duro trabalho que foi feito enquanto meus olhos estavam fechados.
É assim, a evolução acontece mesmo enquanto dormimos..Tudo nunca para.

(*) Tela acima: Camponês dormindo - Picasso

domingo, 18 de setembro de 2011

O novo é belo..

Ele começou a calçar meus sapatos e queria provar todos os que eu tinha. Já vi muitas crianças fazerem isso e nunca compreendi essa curiosidade. Por que a vontade de calçar algo bem maior que o seu pé? Bem, deve ser auto-desafio.
Parece que pés pequeninos também fazer o mesmo trajeto que os pés gigantes fazem.
Crianças se superam dia após dia, diferente de alguns adultos que decidem ter medo ou desistiram de enfrentar seus temores..
Caminhar com novos sapatos é garantir que se chegará longe..

domingo, 11 de setembro de 2011

O paneleiro

Agora está assim. Ele alcança quase tudo, principalmente o paneleiro e não tem a mínima piedade das panelas. Todas vão ao chão. Canso-me de retirá-las do chão e guardá-las porque duram menos de uma hora no lugar de origem.
Pelo que ando percebendo, "mãe" também quer dizer "ordem", ou aquela, única criatura, para quem sobrou deixar a casa em ordem. Parece em vão, mas a tarefa precisa continuar, visto que sem ordem, uma casa não funciona.
O que penso é que talvez seja um teste de resistência, entre a vontade dele e a minha. Eu guardo as panelas e ele as retira do paneleiro para jogá-las no chão da cozinha, do banheiro e da sala..
Não fico brava, quando a gente tem filhos aprende a arte da maleabilidade e da tolerância..

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O habitante de rua...

Ele viu o cachorro, correu e queria brincar com ele. Aqui temos dois, o Nico e a July, que são Yorks e são mansos. O cachorro da rua não era exatamente igual, não pude deixar ele se aproximar. Era maior, talvez fosse bravo. Eu imagino que ele pense que todos os cães são dóceis.
Com certeza, é preciso ter mais medo de pessoas do que do restante dos animais, até porque, em muitos casos, são as pessoas que ensinam os cães a morderem outras pessoas..
O medo vem da experiência negativa. Na infância quase não existe, parece algo imaginado por adultos, o mundo é lúdico. Seria bom se toda a ingenuidade infantil pudesse sobreviver ao nosso mundo real. Já pensou, todas as pessoas podendo confiar nas demais?

sábado, 27 de agosto de 2011

Brincar de sociedade

Seus brinquedos?
Ele tem alguns carrinhos coloridos, outros só envernizados de madeira, algumas bolas de plásticos, ursinhos de pelúcia..Mas, é da embalagem de sabão em pó vazio, da caixa de sabonete, da vassoura, do balde e até da ração dos cachorros que insiste em brincar. Tudo é brinquedo e tudo já é "de verdade"..O mundo é lúdico. O jogo da vida começou pelo pensamento mágico que também é lógico.
Ele segura o copo de plástico e quando preciso tirar de sua mão para lavar, não deixa e chora. Deve pensar: "- Isso é meu e aquilo ali também é!". Com os brinquedos começa a difícil tarefa da socialização.. Brinquedo é coisa séria.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Abstração e essência..

Ele brinca por toda a parte que consegue transpassar. Para quem vê, é brincar. Para ele, é aprendizado sério com direito a mudança de ciclos..Prova disso é o olhar sério sobre um patins velho. Para que serve? O que faço com ele?
O desarrumar tudo aqui é abstração para enxergar a essências das coisas..O quebrar as coisas, algumas até relíquias, é  para nos mostrar que objetos não foram feitos para durar mais do que o nosso conhecimento sobre eles..
Minha mãe dizia que antigamente as crianças eram mais "paradas", menos enérgicas. No entanto, a observar que essas crianças, de outros tempos, produziam, sozinhas, bonequinhos de xuxu e carrinhos de espiga de milho, creio que ela se enganou...

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Simples assim..

Alguém já se perguntou como as crianças olham para os adultos?
Como seres mais do que gigantes, como seres incansáveis, como titãs.
Adultos são aqueles que colhem todos os dias, todas as horas, seus brinquedos pelo chão. São aqueles que os carregam desde o berçário, até talvez 12 anos, em seus braços. São os que fazem compras, trabalham externamente, preparam sua mamadeira e ainda lhe cantam a noite quando eles, bebês, estão cansados.
Adultos são deuses, tem força mágica para curar e assoprar quando os pequenos caem e choram.
Adultos são responsáveis pela manutenção da vida e não sentem dor, fome ou cansaço.
Quando não é assim, os gigantes se transformam em monstros horrendos. Aqueles que dão medo. Fazem parte desse grupo, aqueles que fazem crianças e outros adultos chorarem.
Crianças são assim, maniqueístas. Unilateral, elas não fingem gostar. Para elas, embora novo, o mundo é bem simples. 
Tela: Família - Lasar Segall

domingo, 31 de julho de 2011

Entre a infância, adolescência e a maturidade. o que acontece?

Vivemos a resina do medo.Alguns adolescentes embriagados, drogados ou delinquentes. Alguns adultos, psicóticos, tiranos ou violentos. Nenhum deles lembrando a graça dos bebês, fofinhos, que já foram um dia.
Parece que algo muito grave aconteceu no intervalo das fases de desenvolvimento, mas o que?
Ninguém nasce bom ou mal. Então, será que bebês são tabulas rasas ou folha de papel em branco?
Nesse caso, eles irão aprender com os mais velhos e irão aprender até coisas como afeto e amor. A experiência é imprescindível para eles. É o que possibilitará o "vir a ser"..
Mas, todas as pessoas más, tiveram experiências más?
Não tenho como saber isso, porém, podem ter tido a falta de experiência boa..
Em algum momento, ou em vários momentos, creio que não houve colo.
Bebês são mamíferos naturalmente egoístas e gostam de ser atendidos com exclusividade.
Muitos atributos dos pais, em excesso, como a super-proteção, podem provocar transtornos, mas não é o caso do colo. Pegar no colo nunca é demais. Metaforicamente, adultos também adoram ser carregados em colos serenos.
Creio que o problema começa, quando adolescentes, esses bebês, desistem de pedir colo e seguem a vida acreditando que não precisam mais dele.
Tela: As meninas, de Renoir

terça-feira, 26 de julho de 2011

O mundo dentro dos olhos

Corre ali e se depara com o círculo vermelho
Corre ali e tenta subir no triangular azul, com luzes brancas piscando
Corre ali e sobe na grade esférica amarela, verde e vermelha
Corre e para, corre e sobe
Tem um mundo gigante ali
O mundo que lhe fascina os olhos
Olhos redondos, castanhos e brilhantes, que toca tudo antes de suas mãos
Viu tudo, mas não demorou a descobrir o quadrado,
Saiu dali.. 
E adorou as luzes piscando

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Poesia para ninar..

Eu estava procurando um livro infantil para ler para ele. Não encontrei nenhum. Nessa casa, fazia tempo que não havia crianças. Outro dia, eu tinha ido na reunião de pais e mestres, da 3a série do Ensino Fundamental, do Caio, mas isso já tem 6 anos.
Como não encontrei um belo livro de fábulas, resolvi ler um poema de Drummond:

Cortar o tempo

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente

Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 19 de julho de 2011

O corte de cabelo

Hoje foi ele foi, pela primeira vez, na cabeleireira.  Cortou finalmente os excessos dos cabelos.
Pensei que daria um trabalhão, mas eis que fica quietinho para nossa surpresa.
Bebês nem sempre são previsíveis. Por isso, creio que eles estejam mais próximos da natureza do que nós, adultos.
Eu tinha pensado em cortá-lo sozinha, mas, pensei melhor e decidi que se a gente quer algo bem feito, precisamos contratar alguém que realmente entenda do assunto.
Por enquanto, sou sua deusa, sou eu quem escolhe suas roupas, suas marcas de leite e o momento de cortar seus cabelos. Escolho até o horário dele dormir e acordar.
Não obstante, relembrando as caretas, quando vê algumas refeições ou remédios, ou quando não dorme nos horários idealizados, creio que minha divindade não durará muito. Ele já começou a ter algumas de suas próprias escolhas. Talvez, daqui alguns anos, escolha ter cabelos longos.

domingo, 10 de julho de 2011

Minha energia, onde estás que não respondes?

Escuto um abrir de portas, era o paneleiro, lá se vão todas as panelas ao chão. Ouço um novo barulho, lá se vai a gaveta da cômoda, com todas as camisetas que ali estavam, para o chão. O tempo que fico em casa é também o tempo para as coisas cairem no chão e depois eu recuperá-las aos seus devidos lugares..Ele fuça em tudo. Os mistérios de nossa casa já estão se acabando para ele.
Eu teria que ter mais tempo. A gente precisava sair, ir à parques, ou, buscar lugares abertos..Crianças tem naturalmente muita energia e a gente precisa inventar a nossa, afinal somos nós que temos que andar na frente...
Tela de Gauguin, The Swineherd

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Comer, comer é o melhor para poder crescer.

Agora a mamadeira não é tão importante quanto aos sólidos do almoço e jantar.  
No início ele comia bastante, gostava da cadeirinha, mas agora não anda querendo comer muito. Daí me desespero e o pai fica apreensivo. O mesmo "problema" que já passei com meus outros dois filhos, que agora são adolescentes..Sei que isso não mata pois, com o tempo, o paladar se refina e surge uma certa estabilidade assim como existem várias circunstâncias que promovem a falta de apetite infantil como por ex. gripes de inverno , porém é atordoante ver seres pequeninos se recusando e se irritando ao ato de comer..
A gente faz comidas coloridas em pratos coloridos, talheres com efeites de Mickey Mouse, mas nada, o bebê não quer..
Antigamente, nossos pais nos mostravam uma cinta masculina e  a gente ia engolindo qualquer coisa..
Outros pais, como nós, há 15 anos atrás, corriam atrás dos filhos com os pratos, tentavam fazer barganha : "Come para ficar mais bonito ou ganhar aquele presente". Alguns, se aproveitavam do instante em que as crianças estavam entretidas com desenhos na TV e iam lhe dando colheradas. Outros as entupiam de novas vitaminas.  Não dava resultados consideráveis, mas a gente tinha que tentar alguma coisa..
Um outro detalhe relevante: Crianças idolatram o  açucar (o mesmo do "Blue sugar")  e chegam a desprezar comidas salgadas..
Não obstante, hoje ainda vale qualquer coisa pois o temor de perder nossos eternos bebês, por inanição, ainda existe, além do que, não comer significa nos chamar de incompetentes..Não entendemos por que há organismos que rejeitam nossas comidas..
Como será que crianças sobreviviam na pré-história?
Bem, estou tentando apresentar-lhe pratos diferentes e nesse momento me torno bruxa já que cozinhar é mais que arte, é um ritual de vida...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

O abraço

No último dia 31, as 11:30 h, em Campinas, ele perdeu a avó materna. Espero que meu abraço seja forte por pelo menos mais 18 anos e quando não mais for que a minha força faça parte de seu Ser ...

sexta-feira, 20 de maio de 2011

1 ano e 4 meses

Ah! O processo do andar: tantas quedas e tanta certeza que vamos conseguir. Se arrastar, engatinhar, ficar em pé, andar, chegar à lua  e logo iremos esquecer. Esquecer que somos processo e acreditar que qualquer problema pode ser resolvido em menos de 24 horas..
video

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Uma sinfonia para dormir..

Seus olhos percorrem tudo e sempre ganham em velocidade das minhas palavras..
Ele sobre a ladeira, eu a desço e mesmo assim estamos tão próximos..
Agora quando ele dorme eu coloco música clássica, como Mozart. Dizem que o raciocínio fica melhor..Não obstante, a  música tem o poder de mudar os olhos que observam o mundo..

domingo, 24 de abril de 2011

Viajando na Páscoa..

 
É Páscoa! Rara oportunidade de viajar, será que um dia iremos velejar?
Estradas lotadas, Bairro de Maresias, S. Sebastião, encontro com a família paterna..
Estradas lotadas, mas um singular momento de folga..
Tanta gente buscando a mesma coisa, pensando ao mesmo tempo a mesma coisa..
Ele ganhou muitos brinquedos das tias Carla e Fábia..
Estradas lotadas, chegando em casa..
Tantos brinquedos, pouco espaço na casa..
Eu sonhava que ele tivesse um quarto decorado,
No entanto, a falta de quarto é adaptável
Toda a casa tem virado uma brinquedoteca..
Agora, as ruas estão mais calmas..
As crianças estão no poder..
 

sexta-feira, 25 de março de 2011

Fala bebê...!

Ele ainda não fala uma palavra do tipo "papai" ou "mamãe". Um dia até pensei ter ouvido "leitee", porém creio que me enganei pois não houve repetições..
Entre monossílabos, provavelmente ele está dentro do tempo dele e nós é que somos ansiosos. Aliás a vida é o espectro da ansiedade. Veja os pais: Primeiro a gente não vê a hora que o bebê vá sorrir. Depois a gente anseia pelos primeiros dentes, depois para que ande logo, depois para que fale logo, depois para que, na escola, venha logo um dez para tornar-se engenheiro, depois queremos ver quem será a namorada para palpitarmos sobre a dita, depois, queremos saber quando será o casório e onde irão morar, depois queremos saber quando virão os netos e daí, um dia, ficaremos esperando ansiosos para saber quando nosso bebê nos telefonará ou voltará para nos visitar e nos sorrir de volta..
Meu bebê ainda não fala, todavia tenho todo tempo do mundo para esperar que um dia ele me recite uma poesia esteja eu onde estiver... 

Tela: Toulose Lautrec - A dança de Marceille

quarta-feira, 16 de março de 2011

A polêmica babá

Há quem diga que ela utiliza recursos nada nobres como o tão antigo Reflexo Condicionado citado por Pavlov. Os defensores dessa teoria, dizem que é ela que conduz as massas à alienação desde o berço..Dizem ainda que ela faz o processo de "desaprender" e é um passo contrário ao conhecimento e aos valores.  No entanto, há quem considere que toda e qualquer pessoa tem uma essência própria e essa é inviolável. Dessa forma, não seria uma propaganda de tabaco que induziria ao fumo e sim a situação ambiental, cultural e até uma predisposição genética..

Há ainda aqueles que a consideram uma aliada, já que é um dos únicos recursos disponíveis para a mãe da classe média, trabalhadora, que precisa de alguns minutos para passar uma vassoura pela casa..
Francesco começou a prestar atenção nos desenhos da TV. Provavelmente gosta das cores das figuras, das crianças atrizes e dos sons infantis. Tento filtrar o conteúdo e permito que ele se entretenha com essa nova e experiente babá...

sábado, 5 de março de 2011

Reminiscência da porradoterapia...

Francesco agora anda por todos lugares e tenta colocar a mãozinha em tudo. Várias vezes espalha tudo pelo chão, quebra coisas. Numa dessas sumiu, por três vezes, três cartões de débito e crédito consecutivos, que eu deixei na carteira e em local baixo..
Ele não foi para a creche de manhã e a tarde porque a irmã mais velha aceitou ficar de babá no período da manhã e da tarde..A noite tem uma outra babá que vem duas vezes por semana..Concluindo, é bem difícil ver minha casa em ordem ..
Esse deve ser o ano da criança para mim pois também comecei a lecionar para as 6as séries e estas crianças gritam e se movem sem parar...
Para saber lidar com essas novas situações, revisei o passado e tentei repescar algo proveitoso. Quando a gente não sabe muito sobre novas situações, as vezes o passado ajuda..
Dai me lembrei de como era ser criança no final da década de 70 e adolescente na década de 80..
Lembrei-me da "educação pelo medo". A gente apanhava em casa dos pais porque eles acreditavam que deveríamos ser quietos e comportados com 10 anos e a gente apanhava do professor também porque ele queria que a gente decorasse a  Caminho Suave e queria que as tarefas fossem feitas sem erros com belas caligrafias. Obviamente, o silêncio deveria ser o líder da sala.. 
Nunca tive um amigo daquela época que já não tivesse "experimentado" a cinta, o chinelo e mão pesada de um adulto..
Crianças da idade do Francesco levavam tapas nas mãos se pegassem objetos de adultos..
Quando as "artes" continuavam, mesmo com o tratamento de choque, então diziam em casa e na sala de aula que aqueles "mal-criados" deveriam ser  "patologicamente loucos" ou irião virar bandidos..
Lembro-me de um livro, o de José Mauro de Vasconcelos, "O meu pé de laranja lima", onde Zezé só deixa de apanhar quando fica doente..
Dai os tempos mudaram, entrou mais diálogo..e agora temos o ECA e o presidente, que no ano passado, proibiu até os beliscões...
Tanta pancadaria, para no fim ver o mundo dos negócios atual chamar aqueles alunos do "fundão" e os filhos rebeldes das décadas passadas, de "pessoas com iniciativa". Aliás, foram os que não ficaram mudos e inertes por medo, que se destacaram no mundo como engenheiros, ou, donos de oficinas mecânicas, ou, esportistas..
Hoje, alguns educadores, dizem que a coisa ficou "aberta" demais e que não há mais controle sobre as crianças..
Caímos no outro pólo?
Bem, talvez o problema seja que até hoje o Ser humano, capaz de compreender aramaico e cabala, ainda não tenha descoberto a verdadeira linguagem da criança e o problema consista na errônea comunicação, ou no distanciamento de qualquer tentativa dessa..
Nunca criamos terapia melhor que não fosse a da linguagem, mas é tão difícil domina-la..
Bebês tem linguagem própria e universal, assim como crianças e adolescentes..
O movimento, a energia, a resistência aos adultos é parte do conhecimento deles e é tudo que não compreendemos..Já fomos um deles, porém, esquecemos tudo..
Doravante a pesquisa pelo passado me ajudou a entender porque alguns adultos são tão intolerantes..

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Domingo no Zoo

Nesse último domingo o levamos ao Jardim Zoológico local. Na verdade, uma das poucas opções de lazer na idade dele e pessoalmente não gosto desse tipo de passeio. O que há de interessante de mostrar bichos furtados da natureza e presos em celas? Todavia a intenção era mostrar a variedade dos espaços e sair de casa....
Eu e o pai dele apontávamos em várias direções para que ele achasse graça, mas ele só olhava para onde nossos olhos estavam..






Tela: Dali - A  tentação de Santo Antonio

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Uma queda, alguma certeza..

A compreensão das coisas vai lenta e precisamente tanto para ele como para mim..
Um exemplo: Quando meus dois filhos adolescentes tinham a idade dele e caiam no chão duro, eu assumia a culpa. Tudo que eu sempre pedia era que, de alguma forma, o tempo voltasse e me desse apenas uma chance para que eu impedisse a queda..Hoje, ele escorregou e caiu no banheiro. Eu estava próxima, mas não consegui ser mais rápida do que tinha sido no passado. Perdi a chance que tanto havia pedido, entretanto, percebi que existem quedas que não podemos impedir. Acabei descobrindo que algumas quedas são inevitáveis e o que nos resta fazer é pegar no colo, beijar o local atingido, aplicar reiki e mostrar que sempre estaremos juntos...
Culpa é a marca da evolução humana. Assim como os pais são torturados por culpas, os filhos também serão quando tiverem a idade deles.  
Todavia, um dia as quedas se zeram. Viveremos felizes porque fomos ajudados, ou, frustrados e impiedosos porque não fomos carregados... 


Tela: Renoir - Tardes soalheiras


quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O trenzinho da felicidade

Hoje ele brincou na piscina de lona no quintal e quanta felicidade! A água é a volta ao lar, não é mesmo?
E o que é felicidade?
Nossos ancestrais primatas foram felizes por terem escapado dos ataques de feras maiores que eles. O cidadão da Idade Média foi feliz quando escapou das pestes.
Meu avô paterno ficou feliz quando veio para o Brasil, a terra que não entrava em guerra contra outras nações. Minha avó paterna ficou feliz quando teve Alzheimer e de Campinas se projetou num trem na Alemanha.
O trabalhador da década de 30 ficava feliz quando podia dar um sapato para o filho ir trabalhar como ele. O trabalhador da década de 70 ficava feliz quando podia comprar um Danone para os filhos nos finais de semana. O trabalhador da década de 90 ficava feliz quando podia presentear um vídeo-game para o filho mais velho. O trabalhador do século XXI, como eu, fica feliz ao saber que nenhum de seus filhos está usando substâncias químicas proibidas, pois já enjoaram de tênis de marca famosa, Mac Donalds e  eletroeletrônicos, para acreditarem que são felizes..
Felicidade é abstração e efeito..
Francesco fica feliz com a água...

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Primeiro aniversário

 Meu bebê está andando e mesmo sem firmeza nas pernas quer correr e cai. Talvez seja algo em nosso DNA que chamamos de "ansiedade"..A ânsia de chegar a algum lugar que não se conhece e daí os tombos valem porque a ansiedade, muito embora possa trazer arrependimentos, também é aprendizado...E a ansiedade parece nunca parar, é  tão frenética como o ato de respirar. Quando se chega aonde quer, tudo rapidamente perde o encanto..Uma amiga fez de tudo para conhecer o Coliseu e depois de anos de economia, olhou para o local e perguntou: "- E agora?"
Ansiedade e imaginação são gêmeas fraternas. Nasceram juntas, porém, uma sempre quer ir mais longe que a outra..A imaginação nasceu primeiro e é mais ágil, já  a ansiedade sempre tenta correr atrás de sua irmã acreditando que conseguirá..
É a ansiedade que nos faz tentar correr quando as pernas ainda não sabem andar ..Portanto, ainda somos parecidos com o Francesco..
Sua vela de 1 ano foi assoprada numa torta de Morango no Bar do Boquinha.e que traga toda a sorte possível!


Foto: 1o Aniversário: As irmãs Bruna e Letícia e a tia Carla. Abaixo o pai Artur e o primo Vitor:

domingo, 16 de janeiro de 2011

Logo ele terá 12 meses...

Hoje é dia 16 de janeiro e faltam 3 dias para o primeiro aniversário de Francesco..
Não sei se haverá festa pois ainda estou pensando. Festa nessa idade é apenas representação "de" e "para" adultos. Bebês ainda não comem bolos de chocolate com recheio assim como não tomam refrigerantes. Por coincidência ele começou a bater palmas ontem..
Os primeiros 12 meses são os mais preocupantes para a sobrevivência humana, como minha mãe dizia "- Criança é que nem passarinho".
Doravante, sou levada à uma retrospectiva.
Não foi muito fácil esses últimos meses, começando pela gestação, porém, o que é exatamente fácil na vida? Talvez o complexo se acentue mais nas mulheres, ao menos pela nossa ótica.
Já nascemos com óvulos, imaginou isso? A passagem para a vida nos acompanha desde que, por nossa vez, éramos fetos..Assim, somos sempre fadadas a sermos mais velhas que os homens..
Entramos antes na puberdade, carregamos muito dentro e fora de nós e quem diria até que a menopausa chegue, ainda iremos nos reproduzir...Aliás, é quando encerramos essa missão que a natureza começa a nos matar...
Tudo dentro de nós é uma revolução explosiva, as vezes parece que somos dinamites...
Nem nós mesmas entendemos a TPM e o por que dos filhos, cujo peso nossos braços transportam com dores sem reclamar, olharem para o pai como se fosse ele a última bolacha do pacote..Mas, ficamos felizes que eles estejam felizes atraídos pelo pai, que pela ordem natural, esteve menos presente que a mãe..
Francesco veio de surpresa, já no final, quando o desfecho parecia ser outro..Foi tudo no plano invisível. Células pequenas se encontrando e todo um complexo sistema reprodutor dando apoio..
Foram meses de peso exacerbado devido ao inchaço, meses de desconforto. Depois noites sem dormir como é de práxis e um dia, espero poder olhá-lo nos olhos para dizer "- Trate toda e qualquer mulher como uma dama, pois você tem mãe e irmãs. Se não fosse o sexo feminino nem você nem nenhum homem do mundo existiriam. O pediatra disse que você terá 1.95 m, porém você já coube microscopicamente dentro de mim."  


Foto: Casamento da Prima paterna na cidade de São Paulo, foto com o avô Césare, a irmã Bruna e a prima Lara em 09/01/2010

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Do rio que tudo arrasta dizem que é violento, mas ninguém diz o quão violentas são as margens que o reprimem..

Viajamos para Maresias no Litoral Norte.
Adorou a proximidade com os avós paternos, eternos adoradores de bebês e da perfeccionista e bela, tia Carla.. 
Ele também gostou da piscina, da areia da praia, dos passeios mas, talvez não tenha gostado de alguns  "Não pode!". E quanto mais adultos por perto, mais "Não pode"..
Geralmente é um problema considerável levar bebês e crianças para passeios pois eles ainda não sabem que existe um universo polimorfo.
Agora que ele dá os primeiros passos, experimentando uma parcela de autonomia, quer segurar tudo que lhe é novo. Os brinquedinhos, todos bonitinhos, coloridos e caros, já não interessam. O interessante é pegar um relógio e derruba-lo, ou, colocar o dedinho num interruptor..Quanto mais falamos "Não pode" e balançamos o dedo indicador, mais desejos surgem pelo proibido..
Pior ainda é que temos que inicia-lo na limitação do sono. Mesmo bebês não podem fazer barulho as 2:00 h da manhã, quando outras pessoas, cansadas, precisam dormir..E essa imposição é uma das piores pois sono é como um passarinho que pousa ou não sobre um travesseiro..  
Assim, vamos limitando o caminho, os acessos e aguentamos o choro de repulsa do querer infantil.
Crianças e adolescentes (crianças que não cresceram o suficiente) sofrem no mundo conjugal. No entanto, na idade da razão, descobrirão que se não fossem os limites, 90% da humanidade não chegaria à idade adulta. Obviamente, tem adulto que limita demais e dai caímos no que Freud relacionou com histeria, ou, neuroses provenientes de "desejos reprimidos"..
Nós também fomos seres que alguém limitou e talvez o que nos fizeram foi só um treino para a limitação maior, a  da vida..Nesse corpo tudo será sempre limitado. No entanto, um dia aprenderemos a ser livres psiquicamente. Os monges já conseguem essa proeza.
Só na idade da razão é que descobriremos que toda a autonomia que experimentamos no início da vida adulta, depois dos 18 anos, foi um Oásis. Pouco adiantaram as rebeliões dentro de casa, ou o choro de cólera..
No fim, até agradecemos termos sofridos limites físicos..
Na minha época eu invejava as crianças que podiam ficar na rua o tempo todo, depois os adolescentes que podiam madrugar e sair com quem quisessem...Todavia, muitos não voltaram para a casa ou voltaram mutilados pelo contato com a realidade..Uma premissa é sempre verdadeira: Não há piedade fora de nossa casa..
O filhiarcado foi uma tendência da década de 90 que mostrava que o filho poderia controlar a casa, mas não deu muito certo pois para governar algo é preciso de muito conhecimento e conhecimento exige experiência e experiência precisa de tempo..Em suma, tudo isso precisa de um outro quesito, a aprendizagem.
Brecht dizia "Do rio que tudo arrasta dizem que é violento, mas ninguém diz o quanto são violentas as margens que o reprimem".Nessa frase, o autor fala da política da década de 30, das fortes repressões que culminavam em tortura, exílio e morte..Nesse caso, existe o excesso de margens, mas a inexistência de margens é utópica para nossa espécie. 
Quando eu tinha 16, lia essa frase e pensava que meus pais eram opressores tirânicos pois eram as hediondas margens. Depois vi que haviam margens no trabalho, no coleguismo, na vizinhança e na política. Odiava as margens. Com 4 décadas de existência, agora penso que não haveria rio sem margens pois a água, livre, teria se evaporado..Ter margens foi a condição de sobrevivência do rio..
Chega um ponto na vida em que nós mesmos criamos nossas margens. Iremos nos auto-controlar, nos auto-domar, nos auto-limitar, do contrário, adoeceríamos e por conseguinte, seríamos excluídos..  
Um dia Francesco entenderá porque não pode colocar o dedo no interruptor, colocar qualquer coisa na boca e saberá que é importante para os que estão por perto..Até vamos tentando controlar o estresse dessa situação..  Nunca foi fácil ser um limitador de crianças.